A conquista da autonomia e o método de corporeidade de Klauss Vianna

INTRODUÇÃO: Quando a criatura humana é lançada para o convívio da sociedade, ela é apresentada as convenções nela estabelecidas, para isso, ela precisa do auxílio de indivíduos dessa mesma sociedade. Assim se cria uma relação de tutoria, é neste processo que a conquista ou não da autonomia se evidencia. Objetivo: relacionar os estudos de Kant com relação a minoridade e a aquisição da autonomia infantil por meio de trabalhos da corporeidade. Metodologia: Pesquisa bibliográfica com base na perspectiva histórico crítica fez-se uma busca nos textos de Immanuel Kant sobre autonomia e um levantamento sobre o método de Klauss Vianna. Resultados: Compreendemos com base nos achados que a criança apresenta-se na minoridade, que é caracterizada pela falta de autonomia, a criança nasce integralmente dependente de um tutor, não podendo sobreviver sozinha, todas as suas ações são guiadas por outro. Enquanto a criança encontra-se na minoridade ela é tutelada por alguém que tem mais poder do que ela, esse poder pode ser o conhecimento. Conforme os meses passam ela naturalmente desperta o seu sentido de curiosidade, o qual pode ser podado ou aflorado pelo tutor. Para Kant a autonomia pode ser vista como o poder de governar-se a si mesmo, é uma conquista humana, a sua aquisição é um processo individual e pode nunca ser alcançado. O método de Klauss Vianna evidencia que o indivíduo busque pesquisar sobre seu próprio corpo com base em suas experiências particulares, encontrando nessas experiências os caminhos que ele deve seguir. Conclusão: Nota-se que o método de pesquisa do bailarino proposto por Klauss Vianna, pode ser eficaz para que o tutor (professor, pais) desperte na criança a vontade de buscar seus próprios movimentos e assim adquirir a pesquisa individual, de si mesmo, como alicerce de sua trajetória e assim sair da menoridade e alcançar a sua tutela.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *